domingo, 29 de março de 2015

Seniores: Empate em Amares a zero soube mesmo a pouco

 
Momento de jogo do Amares Ninense
 Ninense esteve sempre por cima no desafio , tendo mesmo falhado uma grande penalidade, mas jogo terminou como começou: a zeros. 


Tarde de sol em Amares , onde frente a frente se defrontavam duas equipas empatadas na classificação e com a mesma legitimidade para almejar os tres pontos em disputa e com muito publico a colorir as bancadas, do Campo Jose Carlos Macedo em Amares.
O jogo começou movimentado. Canetas , logo aos tres minutos, remata de longe para defesa apertada de Claudio. Aos quinze minutos, é Cesario quem aparece na area a cabecear á figura do guarda-redes amarense. Com um dominio estranhamente avassalador, o Ninense ia-se acercando do ultimo reduto dos locais. Á passagem da meia hora, Canetas parece ser derrubado pelo guarda-redes da casa. O arbitro tem diferente leitura , e sanciona o avançado ninense com cartão amarelo por simulação. Já perto do intervalo, Christophe , em jogada individual, quase marca , mas o remate sai bem perto do poste da baliza dos da casa. O Ninense dominara toda o primeiro tempo, com Andre Ferreira a ser mero espectador nas redes da baliza dos famalicenses, mas a bola teimara em não entrar. 
Grande cabeceamento de Hugo Pinheiro deu defesa da tarde a Claudio
 Descontente com a prestação apática da sua equipa no primeiro tempo, o tecnico Miguel Magalhães promoveu a entrada de Fujaco para o lugar de Petit. No entanto, seria novamente o Ninense a criar perigo. Primeiro Christophe remata á figura do guardião Claudio. Depois é novamente Claudio a salvar o cabeceamaento letal de Hugo Pinheiro com a defesa da tarde para canto. O guardião local cotava-se como o homem do jogo até ao momento.  Minutos depois, Christophe, porventura um dos melhores do Ninense esta tarde, escapa á marcação e serve Joao Filipe que remata com perigo. Aos trinta minutos, Christophe é derrubado por Helder dentro da grande area. Porém, na conversaão da grande penalidade , Canetas remata para fora, com a bola a passar ao lado a escasso centimetros.
Canetas iludiu Claudio, mas bola saiu ligeiramente ao lado do poste.

 O lance empolgaria os da casa que  perto dos dez minutos finais da partida, acabariam finalmente por criar alguns lances de perigo. Ginho marca livre frontal , Andre Ferreira defende com dificuldade e Flavio falha clamorosamente a emenda na cara do golo. Esfumada a unica e derradeira oportunidade de golo dos da casa em toda a partida, o Ninense voltou ao comando da partida, tentando o assalto final ás redes de Claudio.  Cesario , no ultimo minuto dos descontos, tem oportunidade de ouro para desfazer o nulo a favor do Ninense, mas o chapéu sai alto . Miguel Magalhães, por seu turno, esgotava a sua ultima substituição nos descontos, e o nulo manteve-se até ao final da partida.
Seria de esperar bem mais desta equipa do Amares,sendo tambem ela candidata ao topo da tabela classificativa , já que raras vezes teve iniciativa de jogo, parecendo desde cedo satisfeita com a divisão de pontos. Já os comandados de Hugo Santos , a contas com quatro lesionados no plantel , foram autenticos guerreiros , num jogo onde a existir uma vitoria , esta seria certamente para os lados de Nine. 
O trio de arbitragem teve uma actuação positiva, fruto tambem de postura dos jogadores, num jogo onde apesar da capital importancia para ambos, acabou por imperar muito fair-play.
Assalto final á baliza do Amares quase dava golo

" O resultado final não foi ao encontro do que esperavamos desta partida. Mas acabou por ser uma delicia ver esta minha equipa jogar, num domingo á tarde, onde se jogou bom futebol. Jogavamos contra o melhor ataque da prova, mas pelo que fizemos, foi pena não termos conseguido o golo, que iria coroar uma execelente exibição da minha equipa. Por uma razão ou outra, as bolas utilizadas na partida não entraram, mérito tambem  do Miguel Magalhães. Já treino o Canetas há muitos anos, nunca o tinha visto falhar um penalti. É futebol. O futuro dirá se este foi um ponto ganho ou dois pontos perdidos, mas mereciamos ter vencido e por mais que um golo de diferença. Vai haver luta até ao final, e temos já um desafio importante na receção ao Torcatense" 
Hugo Santos , treinador do Ninense 

"Acaba por ser justo o empate, embora não favoreça nenhuma das equipas. O Ninense perturbou-nos algo no primeiro tempo , fruto tambem da qualidade dos seus jogadores.
Já na segunda parte equilibramos as  coisas, ganhamos mais cantos e tivemos tres ou quatro lances onde poderiamos ter resolvido. Tinhamos tambem a ambição de ganhar , mas acabaram por  se defrontar duas boas equipas. O empate acabou por penalizar mais o Nine, já que eles se assumiram como candidatos á subida. Quanto ao Amares, vai fazendo o seu campeonato, dentro das limitações que tem "
Miguel Magalhaes, tecnico do Amares

Ficha de jogo 

Campeonato Pro-Nacional AF BRAGA

Campo Jose Carlos Macedo ( Amares )

FC AMARES 0 - AD NINENSE 0 

Arbitro: Marco Teixeira auxiliado por Claudia Ribeiro e Pedro Bessa.

Pelo Amares jogaram: Claudio, Petit ( Fujaco 45 m), Mara, Ze Miguel, Saviola, Nelinho ( Ginho 56 m) , Maka, Helder, Flavio, Orlando ( Russo 90+2 m), Sergio.
Treinador: Miguel Magalhaes

Pelo Ninense jogaram: Andre Ferreira, Hugo Pinheiro, Barroso, Joao Dias, Christophe, Martins, Cesario, Joao Filipe ( Luis Tiago 82 m ) , China, Rafa e Canetas.
Treinador : Hugo Santos 

Dsiciplina: Amarelos: Cesario (58 m), Saviola ( 61 m), Helder (73 m).

sábado, 28 de março de 2015

Juniores batem Cavalões e lideram classificação




Juniores do Ninense continuam na senda das vitorias, vencendo o Cavalões por tres golos a dois.

Mais uma jornada passada, mais um jogo decisivo ganho, agora que faltam somente quatro jogos para o termino do campeonato. 
Tratava-se de um jogo de capital importancia e desde cedo se percebeu que ambas as equipas vinham dispostas a lutar pelos tres pontos. O jogo começou algo calculista, com os conjuntos a arriscarem pouco, e a procurar o erro do adversario. Aos vinte minutos, Diogo Matos rouba uma bola ao lateral do Cavalões e corre á linha, centrando milimetricamente para Filipe , que enche o pé de primeira e arranca um grande golo. 
A reação do Cavalões foi-se sentindo , com a equipa á procura do golo do empate, que acabaria por acontecer , tambem fruto de uma falha defensiva, desta feita no outro lado do campo. 
O intervalo espelhava bem o equilibrio das duas equipas. Rui Teixeira, tecnico ninense, puxou as orelhas aos jogadores , o que catapultou a equipa para uma grande segunda parte. 
O golo do Ninense adivinhava-se. Navio , de livre direto , esbarra a bola no travessão do guardião forasteiro. Pouco depois, o golo de Jorge Fonseca, um hino ao futebol. Livre frontal cobrado de forma curta, e o centro-campista ninense a rematar forte e colocado a uns bons trinta metros da baliza, com a bola a só parar depois de beijar as redes dos visitantes. 

Apesar de algum dominio ninense, seria o Cavalões a empatar a partida novamente, através de grande penalidade.  Tentativa de alivio de uma bola na area ninense , acabou num pontape do jogador ninense no adversario e respectiva falta maxima. 
Pouco depois , um dos momentos do jogo. Jorge Fonseca, que até então cotava-se como um dos melhores em campo, tem de ser substituido por lesão, entrando para o seu lugar  Carlinhos.
Substituição acertiva do tecnico ninense, já que volvidos cinco minutos, Carlinhos marcaria para o Ninense , na sequencia de um canto.  

A vantagem ninense não mais se esfumaria até final da partida, num jogo onde a vitoria assenta bem aos comandados de Rui Teixeira , em especial pela segunda parte . 
No final da partida , muitos protestos dos visitantes contra o trio de arbitragem , liderado por Jorge Alvim, levaram á expulsão de um jogador visitante.  Filipe, avançado do Ninense, seria tambem expulso já depois do termino da partida, ao responder ás provocações dos jogadores visitantes. 
Há que mencionar que foi um jogo equilibrado ,com duas partes distintas e onde o trio de arbitragem em nada teve influencia no resultado final, podendo os visitantes queixarem-se em causa propria pelos erros cometidos, que lideraram á derrota.


domingo, 22 de março de 2015

Seniores: Derbi famalicense deu empate a duas bolas

 
Jogo viril , nem sempre bem jogado , deu empate em derbi famalicense
 Ninenses estiveram em vantagem mas permitiram reviravolta no marcador, chegando mesmo ao empate já no cair do pano. 

Tarde de sol em Nine, e o Complexo Desportivo a acolher um derbi famalicense com duas equipas ávidas de pontos , ainda que por diferentes motivos.  O Ninense procurava acercar-se da liderança do campeonato, já o Joane procurava pontos para acalentar o sonho da permanencia , cenario cada vez mais complicado , agora que faltam sete jogos para o final do campeonato.
Quanto ao jogo em si, os primeiros minutos foram bem animados , com ambos os conjuntos a tentarem pegar nas redeas da partida, embora criando poucas oportunidades reais de golo.  Aos dez minutos , Joao Filipe tenta o chapeu a Adrian, mas a bola sai ao lado. Canetas, avançado ninense , imitaria o colega pouco depois, com a bola a sair novamente ao lado. Aos trinta minutos, praticamente no primeiro lance de perigo, o Ninense marca.  Livre cobrado pela direita, e o central China a aparecer na area e a cabecear para o primeiro da tarde. 
Capitão China inaugurou o marcador para o Ninense
O jogo acalmou e não fosse um remate de Canetas já perto do intervalo, nada mais  haveria a acrescentar no primeiro tempo. No inicio da segunda parte, o tecnico joanense Fontão faria entrar Vitor Hugo, jogador que estaria em destaque na segunda parte por distintas razões.  Minutos depois, um jogador do Joane pede para ser assistido, e os comandados de Hugo Santos colocam a bola fora do terreno de jogo.  Na reposição de bola, Vitor Hugo contorna o natural fair-play e tenta marcar o golo do empate. Do lance sai uma falta perigosa a favor do Joane, assim como duas cartolinas amarelas para os ninenses, por naturais protestos.  O lance, de certa forma , intranquilizou os locais, e Ricardo quase empata a partida, mas o remate ainda tabela em Hugo Pinheiro para canto. Canetas, avançado ninense, poderia ter sentenciado o jogo a passe de Joao Filipe, mas o guardião Adrian defendeu com bravura para canto. Praticamente no lance seguinte, Vitor Hugo empata a partida, após centro bem medido de Benicio pela direita.  
O Ninense tentou pegar na partida novamente, e por pouco conseguia nova vantagem. Primeiro é Christophe quem remata cruzado , mas a bola sai ligeiramente ao lado. Depois é Lucio Andre quem quase faz auto-golo numa tentativa de corte dentro da pequena area. 
Balanceado á procura do golo da vitoria, o Ninense sofre o segundo de contra-ataque, novamernte por  Vitor Hugo. O jogador forasteiro pega na bola e escapando á marcação , bate Andre Ferreira pela segunda vez na tarde. Os dez minutos finais da partida foram jogados de forma intensa, com os visitantes a tentarem aniquilar a partida com interrupções e jogadores no chão. Já no periodo de descontos, a jogar mais com o coração do que a razão, o Ninense chega ao empate.  Canto batido pela direita, e Hugo Pinheiro imperial nas alturas a bater Adrian e a fixar o resultado final. 
Hugo Pinheiro muito saudado pelo golo do empate
 O empate final , embora não agradando a nenhuma das partes, acaba por ajustar-se ao desenrolar da partida, já que ambos os conjuntos estiveram melhor em cada parte do desafio.
O trio de arbitragem , liderado por Renato Freitas esteve quase sempre bem, ajuizando os lances mais dificeis equilibradamente e sem influencia no resultado final. 

" O resultado acabou por ser um mal menor, mas este empate seguramente valeu mais que um ponto no futuro. Acabou por ser uma lição de humildade do adversario. Permitimos que de uma situação de vantagem ao intervalo que o adversario virasse o jogo. É um resultado que não interessou a nenhuma das equipas, mas que nos trouxe a lição de que se quisermos alcançar algo, teremos de ter alma para isso, teremos de correr e jogar sempre mais que o adversario para alcançar a vitoria nos jogos"
Hugo Santos, treinador do Ninense

Ficha de Jogo 

Campeonato Pro-Nacional AF BRAGA

Complexo Desportivo Ninense

AD NINENSE 2  - GD JOANE 2

Arbitro : Renato Freitas auxiliado por Domingos Faria e Tiago Machado

Pelo Ninense jogaram: Andre Ferreira, Hugo Pinheiro, Meira ( Luis Tiago 73 m), China, Joao Dias, Vitor Martins ( Rafa 71 m), Christophe , Barroso, Joao Filipe, Cesario e Canetas.
Treinador : Hugo Santos

Pelo Joane jogaram: adrian, Lucio Andre, Joao Andre, Ricardo, Fina, Keita, Lapinha ( Vitor Hugo 46 m), Cunha , Garcia (Ruca 67 m), Benicio (Miguel  88 m), e Carlos Filipe.
Treinador : Fontão

Marcadores: China (29 m), Vitor Hugo ( 69 m + 82 m) e Hugo Pinheiro ( 90 + 4 m).

Disciplina:  Amarelos: Lapinha ( 29 m), Cunha ( 35 m), Joao Filipe ( 42 m), Vitor Martins ( 44 m), China (53 m), Andre Ferreira ( 54 m), Benicio ( 65 m),  Adrian ( 85 m), Miguel ( 90 + 3 m).
Vermelhos: Nao houve .


segunda-feira, 16 de março de 2015

Ecos da Imprensa do empate na Graça


Imprensa regional muito critica para com o trabalho do trio de arbitragem 

In “Correio do Minho”  
Mão que embalou as águias

 DIVISÃO DE PONTOS ENTRE ÁGUIAS DA GRAÇA E NINENSE, após o empate a uma bola, em jogo da 26.ª jornada.
 Rogério colocou equipa da casa na frente e Joãozinho empatou. Visitantes bem que se podem queixar de dois penáltis claros que ficaram por marcar.
Um empate com a mão do árbitro. Águias da Graça e Ninense dividiram pontos em jogo da 26.ª jornada da Pró-Nacional, depois do empate a uma bola e muita confusão e ânimos quentes no final da partida. A equipa da casa até pode agradecer à actuação do trio de arbitragem pelo ponto precioso na luta pela fuga à linha d’água, já que ficaram por marcar duas grandes penalidades claras a favor do Ninense, que terminou a partida com bastantes queixas face ao trabalho de Joel Dias, claramente, a influenciar o resultado final. Num duelo equilibrado nos minutos iniciais, o Águias da Graça colocou-se em vantagem na sequência de um lance de bola parada, dos pés do especialista Rogério. Na cobrança de um livre, a bola só parou no fundo das redes. A reacção do Ninense foi imediata, com Canetas a isolar-se e atirar a rasar o poste. Foi o primeiro aviso de que o perigo ia rondar a baliza de Malhão. E assim foi. Aos 19 minutos, boa jogada de ataque de Barroso, a desmarcar Joãozinho na esquerda. O extremo teve tempo para pensar e, na cara do guardião, atirou para o empate. O golo embalou os visitantes, que dominaram o restante da primeira parte e só não foram em vantagem para o intervalo, porque Canetas, de cabeça, viu Mota negar o golo em cima da linha. O avançado voltou a testar a sorte, mas o remate saiu ao lado. A fechar o primeiro tempo, um dos lances polémicos: mão de Mota claríssima na área a travar um remate de Christophe, com o árbitro a deixar passar em branco um penálti, sem qualquer dúvida, para o Ninense. Antes, também houve reclamações, num derrube de Afonso sobre Barroso, mas nesse caso ficam as dúvidas. O segundo tempo foi mais fraco em termos de oportunidades e, apesar de maior posse de bola, o Ninense falhou nas decisões no último terço do terreno, com alguns passes errados, e o nó manteve-se. O Águias da Graça dispôs apenas de um lance de algum perigo, por intermédio de Rogério, valeu China a cortar para canto. Em cima dos 90, novo lance a marcar o jogo: Mota cortou com a mão um remate de Cesário, numa jogada confusa na área, e o árbitro Joel Dias nada assinalou. Não ficaram dúvidas de que o lateral voltou a usar o braço para negar o golo. Mais uma má decisão do trio de arbitragem. Que fez aquecer os ânimos e deu azo a tumultos finais lamentáveis.

 “Foram duas partes distintas. O Ninense na primeira parte teve bola, criou uma ou duas situações, nós também podíamos ter criado. Ao intervalo rectificámos algumas coisas e fomos uma equipa mais agressiva sobre a bola, mais agressiva sobre o adversário e controlámos o jogo. Agora, o futebol tem estas coisas, as pessoas quando querem andar no futebol têm de puxar a cassete atrás e ver o que se passou no jogo Ninense- -Águias da Graça, é isso que as pessoas não entendem e andam a mais no futebol, esquecem-se destes pormenores. Esta confusão no final é fruto disso mesmo. É uma pergunta que tem de fazer ao meu colega da outra equipa, que quando veio aqui pelo Serzedelo disse que a minha equipa precisava de um pau para ganhar e ganhou bem 3-0. Hoje [ontem] foi o que foi, a minha equipa foi melhor na segunda parte, mais fresca fisicamente dentro de campo e quando as coisas não acontecem, uma equipa que está para subir mete sempre alguma coisa em cima do jogo. O resultado é justo, foi uma parte do Águias e outra do Ninense.”
Bé Palheiras (técnico Águias da Graça)


 “Vi um jogo muito difícil, não é por acaso que aqui em Padim da Graça só o Taipas e o Torcatense ganharam. É um campo muito difícil. Estivemos na maior parte do jogo por cima do adversário, faltou-nos alguma clarividência no último passe, infelizmente não conseguimos desbloquear essa situação. As situações do árbitro, tenho a certeza que o árbitro decidiu com a melhor das intenções, mas custa, são lances complicados. Fica um amargo de boca, porque era um jogo que devíamos ter ganho. O campeonato é muito longo, é mais um ponto. Não me interessa estar em primeiro ou segundo em Março, interessa-me estar nesses lugares em Maio, vamos com calma, trabalhando. Perdemos dois pontos, porque estivemos na maior parte do tempo por cima do adversário. Vamos tentar frente ao Joane, para a semana, buscar os três pontos. A confusão? Já vim ver aqui alguns jogos e há sempre confusão, não sei se são os adversários que quando chegam à Graça ficam mais enervados. É confusão normal do jogo, mas é engraçado que na Graça não é a primeira vez que acontece.” Hugo Santos (técnico Ninense)

In “ Diario do Minho”
Golos, insultos, emoção e muitos casos polémicos
Forasteiros queixam-se quatro penaltis por marcar

O Águias da Graça marcou cedo, o Ninense empatou e depois do empate os forasteiros queixam-se de quatro grandes penalidades por marcar, sendo que duas delas nos pareceram claras. A primeira parte abriu praticamente com o golo dos locais. Rogério apontou um livre na direita do ataque, fez uma espécie de cruzamento / remate e a bola entrou caprichosamente na baliza sem tocar em ninguém. O Ninense respondeu bem , e Canetas, isolado por Cesário, com tudo para fazer o empate, atirou ao lado. Mas Joãozinho, pouco depois, aproveitou um passe açucarado de Barroso para restabelecer a igualdade. O Ninense carregou, e no espaço de um minuto Canetas e Joãozinho dispuseram oportunidades para marcar, mas Mota na linha de golo e Roque na pequena área, evitaram que a bola beijasse as redes.
A polémica chegou pouco depois: Barroso cai na área após ser placado por Afonso ( o arbitro mostrou amarelo ao lateral dos forasteiros) e antes do intervalo Christophe isola-se pela direita e na linha de fundo cruza para a área onde aparece Mota a cortar a bola , com os forasteiros a reclamarem mão do defesa do Águias da Graça.
Na segunda parte, o Ninense isntalou-se no meio campo do Águias que , com muita organizaçãoe alguma dureza não punida pelo arbitro , segurou com mestria o empate (os locais só criariam novo lance de perigo aos 87 minutos…) . Mas a polémica voltou a dominar o jogo, que contou com muitos adeptos nas bancadas.  China foi o primeiro a pedir grande penalidade , tendo alegado que o seu cabeceamento foi cortado de forma ilegal ( com a mão) pelo adversário . Perto do final, Cesário reclama que o seu remate foi parado na linha de golo por Mota … com a mão. Foi, por isso, um jogo cheio de casos. Demasiados.

“Foram duas partes distintas. O Ninense na primeira parte teve bola , criou algumas situações e nós também poderíamos ter criado , mas retificamos no intervalo e na segunda parte fomos mais agressivos sobre a bola e o adversário e controlamos o jogo. O futebol tem estas coisas. As pessoas tem de puxar o filme atrás e e o que se passou no jogo em Nine. É isso que as pessoas não entendem”
Bé Palheiras , treinador do Águias da Graça

“ Foi um jogo muito difícil. Não é por acaso que aqui só ganharam Taipas e Torcatense. Este é um campeonato longo  e um campo muito difícil. Estivemos por cima do jogo a maior parte do tempo , faltou-nos alguma clarividência no ultimo passe e , infelizmente, não conseguimos desbloquear essa situação. As situações de arbitragem tenho a certeza que o arbitro decidiu com a melhor das intenções. Mas custa… São lances complicados, mas fica o amargo de boca pois este era um jogo que podíamos e devíamos ter ganho. Perdemos dois pontos porque estivemos grande parte do tempo por cima do adversário.”
Hugo Santos , treinador do Ninense  

domingo, 15 de março de 2015

Seniores: Empate na Graça soube a pouco




Ninense empatou a uma bola no terreno do Aguias da Graça, num jogo envolto em muita polemica, com muita contestação ao trio de arbitragem por parte do publico.

Os Seniores do Ninense foram arrecadar um ponto fora de portas mercê de dois golos na etapa inicial da partida. Aos cinco minutos, Cesario testa os reflexos de Malhão , guarda-redes dos bracarenses , com um remate de longe. Praticamente na resposta, os da casa marcam o primeiro da partida. Livre direto marcado por Rogerio, e Marco Lima, com um toque subtil a desviar a trajetoria da bola , enganando Andre Ferreira , guardião do Ninense. Os comandados de Hugo Santos reagiram rapidamente.  Canetas apareceu isolado frente a Malhão , mas o remate cruzado saiu ao lado. Logo de seguida , o golo do empate.  Barroso, lateral ninense, enche-se de coragem e rasga pela defensiva dos bracarenses , e encontra Joao Filipe isolado ao segundo poste, que com um remate bem colocado, restabelece a igualdade. 

Golo de Joao Filipe muito aplaudido pelos colegas
O Aguias da Graça apenas apareceria novamente perto da meia hora, mas Andre Ferreira correspondeu com grande defesa. Minutos depois, na sequencia de um canto, Canetas cabeceia para a baliza, mas a bola é salva pelo central bracarense  Afonso, em cima da linha de golo. Na jogada seguinte , o avançado ninense perderia nova oportunidade, aparecendo isolado na grande area , mas o remate saiu um pouco ao lado. 
Já perto do intervalo, e depois de algum dominio da equipa famalicense, acontece o primeiro caso do jogo.  
Barroso sobe novamente á area da equipa anfitreã, e parece ser placado pelo defesa da casa.  O arbitro da partida, contudo, ajuizou que o ninense simulou falta e puniu-o com respetivo cartão amarelo. Praticamente no lance seguinte , nova polemica.  Christophe esgueira-se pela direita e centra atrasado para Canetas que se preparava para encostar para golo.  A bola é contudo, cortada pelo braço de Roque , passando o lance em claro. O intervalo chegaria logo de seguida, com as equipas a recolherem ao balneario para um merecido descanso. 
Neste lance, Canetas quase marca, mas central corta de cabeça na linha de golo
O segundo tempo foi jogado de forma menos intensa, e com menos chances de golo,  com o Aguias da Graça resignado com o resultado a baixar as linhas defensivas , procurando o erro ninense. Aos quinze minutos Cadete rende o esgotado Joao Filipe , mas o avançado ninense estaria em campo apenas dez minutos , ressentindo-se de uma lesão.  Hugo Santos foi forçado a mexer novamente, e Luis Tiago rendia Cadete. O Aguias da Graça apenas rematou aos vinte minutos do segundo tempo por intermedio de Goody, com Andre Ferreira a encaixar bem o lance. Do outro lado, o Ninense mandava no desenrolar do desafio, mas uma serie de faltas por marcar e entradas mais duras do adversario começaram a enervar os famalicenses. Meira e Cesario viam cartão amarelo por protestos. Já perto do final , Tiago Pereira rouba uma bola a Hugo Pinheiro, mas China faz bem a dobra e corta para canto. Perto do minuto noventa , novo lance que despoletou a ira da massa associativa ninense.  Bola bombeada para dentro da  area, Canetas remata á  baliza , e é Roque, defesa dos da casa,  quem faz o papel do seu guarda-redes , desviando a bola com o braço. O lance parece ter passado despercebido ao trio de arbitragem.
Já nos descontos, Canetas cabeceia sobre os centrais, mas desta feita, Malhão defende o remate, segurando o esferico e o resultado final no empate a uma bola. 
A equipa da casa foi assim premiada pela solidez defensiva da segunda parte, embora este empate tenha um sabor amargo para os de Nine dadas as  circunstancias da partida.
Com este resultado , o Ninense divide agora a vice liderança com Aroes e Amares, enquanto o Torcatense se descolou com lider da prova, tendo agora tres pontos de avanço sobre os adversarios diretos.
Ninense bem tentou levar os tres pontos para Nine

" Foi um jogo complicado, num terreno dificil. Sofremos um golo a frio, ao contrario de outros jogos. Fizemos uma boa primeira parte, empatamos a partida e criamos duas ou tres situações de golo para marcar. Já no segundo tempo , baixamos a intensidade do jogo e tivemos algumas dificuldades em penetrar no bloco defensivo do Aguias. Acaba por ser um ponto , num campo onde algumas equipas não o conseguiram. Continuamos na luta, ainda faltam 24 pontos em disputa"
Hugo Santos, treinador do Ninense

Ficha de jogo 

Campo do Padim da Graça

AGUIAS DA GRAÇA 1 - AD NINENSE 1 

Arbitro : Joel Dias auxiliado por Joao Macedo e Jose Novais

Pelo Aguias da Graça jogaram: Malhão, Mota, Afonso, Antonio, Roque, Hernani (Tiago Pereira 64 m), Moreira, Angelo, Marco Lima , Goody (Belela 75 m) e Rogerio.
Treinador : Rui Ribeiro

Pelo Ninense jogaram: Andre Ferreira, Meira, China, Pinheiro, Barroso, Vitor Martins, Joao Dias, Cesario, Christophe , Joao Filipe ( Cadete  61 m , Luis Tiago 70 m), e Canetas. 
Treinador : Hugo Santos 

Marcadores: Marco Lima (7 m), e Joao Filipe (18 m).

Disciplina: Amarelos : Barroso ( 38 m), Angelo ( 62 m), Meira ( 65 m), Cesario (80 m). 
Vermelhos : Nao Houve.

sábado, 14 de março de 2015

Tudo em aberto no Campeonato dos Juniores

 
Navio subiu mais alto e marcou golo da reviravolta no marcador
 Ninenses receberam e venceram equipa do Famalicão por tres bolas a duas, colando-se novamente no pelotão da frente. 

Em campo defrontavam-se segundo e terceiro classificado , com ambos os conjuntos a procurarem alcançar o primeiro lugar da tabela classificativa.  Rui Teixeira tinha algumas baixas por lesão no plantel, pelo que começou a partida com Carlos a jogar bem na frente de ataque.  O Famalicão marcou praticamente na primeira vez que se acercou da baliza ninense, num lance que não deu hipotese ao guardião ninense Marco. O golo do empate foi um bom exemplo da emotividade com que se jogou esta partida. Bola metida em profundidade nas costas da defesa do Famalicão, e Diogo Matos rapido como uma flecha a servir Filipe que, bem ao seu estilo, fuzilou as redes dos visitantes. Estava feito o golo do empate, com alguma justiça,diga-se. 
Filipe empatou a partida e embalou Ninense para grande vitoria
 O Ninense foi sempre a equipa quer atacou mais , com a equipa de Famalicão expectante á procura do erro ninense.  Perto do intervalo, novo golo ninense. Num livre perto da linha lateral , bola batida para a area visitante,  e o central ninense Navio a subir ao terceiro andar e a cabecear de forma fulminante. 
O segundo tempo foi jogado de forma mais pausada, com o Ninense a tentar acalmar o desafio e os famalicenses a correr atrás do prejuizo. Ainda assim , um mau atraso do central famalicense Tigas quase comprometia o jogo, mas o guardião corrigiu o erro do colega, embora a bola parece ter passado a linha de golo.  O Famalicão acabou por fazer o golo do empate, já na reta final da partida, numa  bola ao segundo poste que não deu hipoteses novamente a Marco. O guardião ninense foi um verdadeiro heroi durante a partida, já que jogou grande parte do desafio condicionado e acabou por ser decisivo no resultado final , sustendo por duas vezes novo golo famalicense.  
Marco fez jogo de sacrificio , acabando por ser decisivo pelos tres pontos
Já perto dos descontos, quando muitos apostavam num penalizador empate, o Ninense chega ao golo da vitoria atraves do inevitavel Diogo Matos.  Boa combinação no meio campo ninense e Diogo recebe a bola, virando-se para a baliza e rematando colocado para o golo, deixando em delirio o Complexo Desportivo. 
No final do encontro, aconteceram algumas escaramuças e protestos para com o trio de arbitragem , levando inclusivamente á expulsao do famalicense Tiago, que entrara minutos antes na partida. 
Acabou por ser uma vitoria valiosa frente a um adversario e concorrente direto , mas mais que isso, um justo premio para a equipa que quis mais e correu mais á procura dos tres pontos.
Golo da vitoria de Diogo Matos levou assistencia ao delirio