sábado, 19 de outubro de 2013

Juniores :Empate a três foi mal menor frente ao Martim



Onze inicial do Ninense frente ao Martim
Partida frenetica, incerta no marcador até ao apito final, cheia de golos e emotividade.

Depois de varios dias consecutivos sob chuva intensa, quis o S. Pedro que este Sabado de tarde fosse dia de treguas, deixando os aguaceiros para outro dia. 
Frente a frente defrontavam-se duas boas equipas, com Ninense e Martim vindas de goleadas impostas aos seus adversarios. 
O Ninense, a jogar em casa e invicto em provas oficiais, não quis deixar os creditos por mãos alheias e começou o jogo pressionante, procurando encostar o seu adversario. Por um punhado de vezes o Ninense ameaçou o golo. 
Veloso cabeceou ao poste nesta jogada
Veloso cabeceou ao poste, e logo de seguida boa jogada de envolvencia pelo corredor direito entre Tiago Borges e Cesar, a bola a sobrar para Higor que desmarca Jordan , mas este remata sem perigo. O Martim só deu ar da sua graça aos vinte minutos, com uma desmarcação pelo centro, mas o guardião ninense Daniel atento a salvar a equipa.  Á passagem da meia hora, golo de antologia do Ninense a lembrar rasgos  de futebol profissional. Bola a sair dominada por Jorge Fonseca do meio campo, Cesar a centrar com qualidade, Higor a servir de primeira Peixoto, que corre isolado e fuzila o guarda-redes do Martim. Estava feito o primeiro da tarde, por um dos melhores em campo, Luis Peixoto.
Jogada do primeiro golo do Ninense é soberba
Era o melhor periodo dos comandados de Sergio Campelo. O Ninense tratava a bola com qualidade, com futebol ao primeiro toque e muita objectividade nos passes. Sem surpresas, o intervalo premiava a superioridade do Ninense. 
A segunda parte foi, contudo , bem diferente. O Martim começou melhor o segundo tempo, mais atrevido procurando desfazer a diferença minima no marcador. Os de Nine preferiam um futebol pausado e pacato, mas por momentos pareceram esquecer que ainda haviam 45 minutos por jogar. 
Ao quarto de hora de jogo, duplo azar para os de Nine , com o Cesar e Tiago Borges a sairem lesionados e Sergio Campelo forçado a criar nova ala direita com as entradas de Picó e Serginho.
A verdade é que quinze minutos de pura desconcentração quase deitavam tudo a perder. 
O Martim empataria logo de seguida, numa cabeçada do avançado forasteiro. Logo de seguida, o Martim dá a volta ao resultado, fruto de uma grande penalidade bem assinalada. E como um mal nunca vem só, o Martim aumentaria o resultado para 3 a 1 com um chapéu a deixar Daniel pregado ao chão.  O Ninense ainda acreditava, embora os minutos fossem escassos. Higor quase marcava o segundo, mas o guarda-redes do Martim negou o golo defendendo com os pés. O mesmo jogador estaria pouco depois em evidencia pela negativa.  Com uma pressão asfixiante dos de Nine, Peixoto cobra uma bola para a frente, mas o guarda-redes a defender para a baliza, com Vitor Matos a confirmar o segundo golo. Já no periodo de descontos, após muita queima de tempo e de alguns avisos do arbitro, o guarda-redes do Martim demora na reposição de bola e origina um livre indireto dentro da sua area. Na marcação do livre, Luis Peixoto de forma soberba, remata fulminante para o golo do empate, com o arbitro a dar a partida por terminada. 

video


Seguiram-se algumas cenas que nada tem a ver com futebol, com um jogador do Martim a ser expulso e a tentar agredir o juiz da partida, obrigando mesmo a intervenção da força policial. 
Apesar deste empate tardio tenha sido um mal menor, fica a impressão que o Ninense poderia ter resolvido a partida , não fosse a entrada apática no segundo tempo, assim como a perda de Cesar e Tiago, dois dos mais influentes da equipa. Ainda assim, nota positiva para a equipa que soube contornar as dificuldades do jogo.

Sem comentários:

Enviar um comentário